terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Fica de pé


Em nota emitida na manhã desta segunda-feira (28) pela assessoria de imprensa, o governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirma que o prédio que abrigou no passado o Museu do Índio permanece de pé. A polêmica em torno da demolição do patrimônio histórico para a construção de um estacionamento e um possível shopping no entorno do Maracanã não garantiu, no entanto, a permanência das famílias que moram no local.
O texto oficial indica que “o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes vão agora tomar a iniciativa de fazer o tombamento do imóvel. O Governo está tomando as devidas providências para que o local seja desocupado dos seus invasores. O Governo do Estado comprou em 2012 da Conab o imóvel, composto por esse e outros prédios, pelo preço de RS 60 milhões. O Ministério da Agricultura já está desocupando os demais prédios existentes no local, que serão demolidos para garantir o fluxo de pessoas no entorno do estádio”.
Também foi decidido que a empresa que vencer a licitação para a concessão, prevista para fevereiro, do estádio do Maracanã, que passa por reformas visando a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, será a responsável pela revitalização da área. O complexo de atletismo Célio de Barros, o parque aquático Júlio De Lamare e escola municipal Friedenreich, continuam na mira da demolição – pelo menos por hora.
Em novembro passado, centenas de manifestantes se uniram aos indígenas que residem no local em protesto contra a demolição e expulsão dos moradores. A Revista de História esteve no local e conversou com manifestantes, especialistas e a parte diretamente afetada, que ainda permanece no local sem saber o que o futuro lhes reserva.
Leia também:
Para gringo não ver -- Após duas liminares cassadas pela Justiça Federal, situação da Aldeia Maracanã, no Rio de Janeiro, é crítica. Líderes indígenas falam sobre a ordem de despejo que paira sob suas cabeças desde outubro

Nenhum comentário: