sábado, 9 de março de 2013

1916 - Pancho Villa cruza fronteira no México e ataca EUA


Wikimedia Commons
Na madrugada de 9 de março de 1916, algumas centenas de guerrilheiros mexicanos sob o comando de Francisco "Pancho" Villa cruzam a fronteira Estados Unidos-México e atacam a pequena cidade fronteiriça de Columbus, no Estado do Novo México. Dezessete norte-americanos foram mortos nesta investida e o centro da cidade foi incendiado. Não ficou claro se Pancho Villa participou pessoalmente o ataque, porém o presidente Woodrow Wilson ordenou que o exército norte-americano invadisse o México a fim de capturar o líder rebelde, vivo ou morto.

Antes desta invasão ao território dos Estados Unidos, Pancho Villa já era conhecido dos norte-americanos por suas façanhas durante a Revolução Mexicana. Ele liderara a famosa División del Norte, com sua brilhante cavalaria, "Los Dorados", assumindo o controle do norte do México após uma série de audaciosos ataques.

Em 1914, em seguida à renúncia do líder mexicano Victoriano Huerta, Pancho Villa e seu antigo aliado revolucionário Venustiano Carranza combateram entre si pela sucessão de Huerta. No final de 1915, Villa refugiou-se no Norte em meio às montanhas, tendo o governo dos Estados Unidos reconhecido o general Carranza como presidente do México.

Em janeiro de 1916, como protesto pelo apoio de Wilson a Carranza, Villa executou 16 cidadãos norte-americanos em Santa Isabel, no norte do México. Ordenou então, no começo de março, o assalto a Columbus. A cavalaria do posto avançado do exército dos Estados Unidos nas proximidades do Camp Furlong perseguiu os mexicanos, matando algumas dezenas de rebeldes no solo norte-americano e também em território mexicano antes de retornar ao seu posto.

Em 15 de março, por ordem da Casa Branca, o brigadeiro-general John Pershing lançou uma expedição punitiva em território mexicano com o fim de capturar Pancho Villa e dispersar os rebeldes. A expedição envolveu cerca de 10 mil soldados e pessoal de apoio. Foi a primeira operação militar norte-americana a empregar veículos mecanizados, inclusive automóveis e aeroplanos.
Durante 11 meses, Pershing fracassou em capturar o escorregadio chefe revolucionário, em parte porque Villa conhecia como a palma da mão o terreno do norte do México e por outra devido ao apoio que a população das localidades lhe emprestava.

Entrementes, ressentimentos quanto à violação de Washington do território mexicano levaram a uma crise diplomática de proporções grandes com o governo na Cidade do México. Em 21 de junho, a crise escalou para a violência quando tropas mexicanas atacaram um destacamento da 10ª Cavalaria do Exército dos Estados Unidos em Carrizal, México, deixando 12 norte-americanos mortos, 10 feridos e 24 feitos prisioneiros. Os mexicanos sofreram mais de 30 vítimas fatais. Não fosse pela crítica situação no teatro de guerra na Europa durante a I Guerra Mundial, uma guerra entre México e Estados Unidos poderia ser formalmente declarada.

Wikimedia Commons

Cidade de Columbus, no Novo México, após ataque de Pancho Villa 

Em janeiro de 1917, tendo fracassado em sua missão de capturar Pancho Villa e sob continuada pressão do governo mexicano, Washington ordenou a retirada total de suas tropas do território mexicano.

Villa continuou com suas atividades guerrilheiras na região norte do país até Adolfo de la Huerta tomar posse do governo e propor à nação uma constituição reformista. Villa entabulou um acordo amigável com Huerta e concordou em se retirar da política.

Em 1920, o governo anistiou Pancho Villa. Todavia, três anos mais tarde ele foi assassinado em seu rancho em Parral.
Fonte: Opera Mundi

Nenhum comentário: