sexta-feira, 31 de maio de 2013

1740: Coroação de Frederico, o Grande

Em 31 de maio de 1740, o príncipe herdeiro Frederico da Prússia, então com 28 anos, subiu ao trono prussiano. Monarca absolutista e quase onipotente, dirigiu o país com firmeza.
Frederico 2º, rei da Prússia
Uma mensagem urgente foi recebida pelo príncipe Frederico a 31 de maio de 1740. Seu pai estava no leito da morte e ele deveria dirigir-se imediatamente a Potsdam.
A morte de Frederico Guilherme 1º e a ascensão de seu filho simbolizou o início de uma nova era na Prússia. Foi o florescimento das artes, o surgimento do "rococó fridericiano", como ficou conhecida esta época na Alemanha. Ao mesmo tempo, o novo monarca iniciou três guerras europeias.
O pai lhe havia deixado um país dividido, politicamente insignificante, mas cofres cheios e um exército exemplar para a época. Frederico 2º soube tirar proveito de ambos para conquistar posição entre as potências da Europa.
Já em dezembro de 1740, poucos meses após subir ao poder, ordenou a invasão da Silésia e incorporou uma importante região econômica. Depois disso, dedicou-se ao desenvolvimento interno, iniciando a construção de seus esplêndidos castelos em Potsdam e Berlim.
Ao mesmo tempo, atraiu conhecidos artistas para sua corte, atenuou a censura e promoveu reformas no sistema de ensino e na Justiça. A tortura foi banida e qualquer ser humano, fosse nobre ou mendigo, passava a ter direitos iguais.
Inspirado pelo Iluminismo, o soberano reformista transformou a Prússia num dos países mais progressistas de seu tempo. Em primeiro lugar, ele valorizava o princípio da tolerância religiosa, o que é admirável numa época de grande influência da Igreja Católica.
Tolerância religiosa para aumentar população
Ao aceitar os "refugiados" religiosos de outros países, como os huguenotes, Frederico 2º conscientemente estava promovendo a "colonização" da Prússia, pois a mão de obra era necessária para o seu desenvolvimento econômico.
Visando a facilitar a colonização, o soberano incentivou e financiou grandes projetos de assentamento, em que regiões pantanosas foram saneadas, florestas derrubadas e até rios desviados de seu leito.
Esta fase de crescimento econômico da Prússia sofreu uma interrupção repentina em 1756: Frederico 2º envolveu-se numa guerra que duraria sete anos e deixaria metade da Europa em ruínas. "O rei prussiano havia iniciado a guerra com a invasão da Saxônia, que havia se aliado ao Império Austríaco e à Rússia para desmantelar a Prússia", explica Burkhardt Göres, da Fundação Castelos e Jardins Prussianos.
A guerra acabou sem vitoriosos. Por se impor bravamente frente aos inimigos mais fortes, Frederico recebeu de seu povo o respeitoso aposto "o Grande". Ele, entretanto, preferia chamar-se "serviçal de seu país".
Frederico 2º governou a Prússia por mais 25 anos. Ao falecer, em 1786, deixou, da mesma forma como o pai, os cofres cheios e um exército imbatível. Seu império, entretanto, havia se expandido e se tornado potência europeia. Ainda hoje, o soberano é chamado, com um certo carinho, de Alter Fritz(velho Fritz) pelos alemães.
Fonte: DW

Nenhum comentário: