sexta-feira, 21 de março de 2014

1952 – Senado dos EUA ratifica Tratado de Paz com Japão

O Senado norte americano ratifica em 20 de março de 1952 o Tratado de Paz com o Japão, mais conhecido como Tratado de São Francisco e outros três pactos de segurança destinados a manter a paz na região do Pacífico, após o término da Segunda Guerra Mundial.
Wikimedia Commons

Secretário de Estado dos EUA, Dean Acheson, assina tratado
Por 66 votos contra 10, o Senado norte-americano ratificou o Tratado de Paz, depois de repelir cinco tentativas destinadas a incluir condições e com isso adiar indefinidamente a ratificação de uma paz duradoura com a Terra do Sol Nascente. Em seguida, foram aprovados os Pactos de Segurança com as Filipinas, Nova Zelândia e Austrália. O único democrata que votou contra a ratificação do Tratado de Paz com o Japão foi o senador Pat McCarran, do estado de Nevada, que se uniu aos nove republicanos que se opuseram ao acordo.
O Tratado de Paz deu por terminada oficialmente a guerra dos Estados Unidos contra o Japão, que foi declarada em oito de dezembro de 1941, após o ataque japonês à base norte-americana de Pearl Harbor. O acordo foi ratificado por quinze votos a mais do que a maioria de duas terças partes necessária. Embora os Pactos de Segurança com as Filipinas, Nova Zelândia e Austrália já tivessem sido aprovados por aclamação, alguns senadores republicanos quiseram manifestar sua opinião contrária a eles, julgando ser um ato de precipitação dos parlamentares.
Após aprovar os acordos, a Comissão das Relações Exteriores do Senado ressaltou que não reconheceria as reclamações soviéticas sobre alguns antigos territórios japoneses, e que também não aprovava, por isso, o Pacto de Yalta, acordo firmado entre Roosevelt, Churchill e Stalin em fevereiro de 1945, que dividia o mundo em zonas de influência no pós-guerra.

Assim, com a ratificação do acordo de paz, os Estados Unidos nomearam, dias depois, um embaixador do Japão para selar de vez a normalização das relações diplomáticas com o esse país. O Tratado, no entanto, só passaria a entrar em vigor depois de ter sido assinado por seis das onze nações signatárias: Estados Unidos, Austrália, Canadá, Ceilão (atual Sri Lanka), França, Indonésia, Holanda, Nova Zelândia, Paquistão, Filipinas e Grã-Bretanha, coisa que aconteceu no final de abril do mesmo ano.
Fonte: Opera Mundi

Nenhum comentário: