quinta-feira, 31 de julho de 2014

1991: Assinado o primeiro acordo Start

Em 31 de julho de 1991, as superpotências União Soviética e Estados Unidos assinaram um acordo histórico sobre a redução de armas estratégicas, conhecido como Start.
Bush e Gorbatchov assinaram acordo no Kremlin
Era um dia ensolarado de verão em Moscou e o otimismo estava no ar. Milhares de jornalistas procedentes do mundo inteiro encontravam-se na capital russa para fazer a cobertura do encontro de cúpula das duas superpotências. Distensão, democratização, cooperação e desarmamento eram manchetes da imprensa internacional naquele tempo, quando se falava com otimismo sobre uma nova ordem mundial.
No entusiasmo que reinava após a queda da Cortina de Ferro, parecia fazer quase parte do cotidiano a distensão entre as superpotências outrora antagônicas – Estados Unidos e União Soviética. A situação permitia que se festejasse uma abertura histórica.
No dia 31 de julho de 1991, o então chefe de Estado e de Partido da União Soviética, Mikhail Gorbatchov, e o presidente dos Estados Unidos George Bush sênior assinaram, no Kremlin, o acordo de desarmamento que ficou conhecido como Start, abreviatura em inglês de Strategic Arms Reduction Talks. A palavra-chave era redução, porque até então só se falava em limitação da corrida armamentista. O Start era um sucesso diplomático, que parecia prenunciar o fim da confrontação atômica.
Ogivas nucleares
Pela primeira vez, a espiral do armamentismo se inverteria. Pela primeira vez, haveria redução de armas nucleares. EUA e União Soviética reduziriam o número de suas ogivas nucleares em um terço cada um. Holger Mey, do Instituto de Análises sobre Defesa, de Bonn, se lembra:
"Ao contrário dos acordos anteriores, que previam apenas a limitação dos arsenais estratégicos, o novo estabelecia uma redução de fato e por isso era importante. Os dois lados concordaram em eliminar parte de suas armas porque eram de opinião que possuíam mais que o suficiente e aumentariam a sua segurança se concordassem em reduzir o excedente de sua capacidade para um teto comum".
Mas, de uma certa forma, o Start ficou superado antes que o acordo fosse ratificado. Seis meses mais tarde, o Departamento de Defesa norte-americano e seu congênere russo já discutiam sobre um acordo subsequente, o Start 2.
Dividendos da paz
Depois do colapso da União Soviética, em dezembro de 1991, a Rússia restou como a única potência nuclear na área do antigo Pacto de Varsóvia. Nessa condição, russos e norte-americanos tinham pressa em embolsar os chamados "dividendos da paz". Acreditava-se na época que os dois lados iriam poupar somas gigantescas de dinheiro, se encerrassem a corrida armamentista. O perito em desarmamento Mey opina:
"Havia realmente distensão, o relacionamento era de fato muito cooperativo. De forma que se podia, tranquilamente, negociar a redução de armas e também ter esperança de poder poupar custos, porque se partia do pressuposto de que os termos do Start já correspondiam aos fatos, à realidade política".
Quimera geoestratégica
Foi nesse ponto histórico, no mais tardar, que o Start passou da condição de sucesso diplomático para quimera geoestratégica. Na realidade, não se concretizou a boa vontade expressa no texto do acordo. O controle das medidas de desarmamento tornou-se muito difícil e houve retardamentos.
Grandes acordos de desarmamento, a aplicação do Start, a ratificação do Start 2 e a adaptação do Tratado sobre Mísseis Antibalísticos (ABM) foram usados, de forma crescente, como instrumento de barganha nas negociações para fazer prevalecer outras metas.
Ameaça da Duma
No início de 2001, a câmara baixa do Legislativo russo, a Duma, ameaçou não ratificar o Start 2, caso os Estados Unidos se retirassem do ABM. A ameaça foi vista por peritos como uma farsa, uma vez que a Rússia retardou durante anos a implementação do Start, apesar da ajuda financeira maciça de Washington. E, nessa data, muitos peritos em defesa já consideravam o Start um projeto fracassado há muito tempo.
Em meados de dezembro de 2001, o presidente norte-americano George W. Bush informou oficialmente ao governo russo a saída dos EUA do Tratado sobre Mísseis Antibalísticos, que Washington e Moscou haviam assinado em 1972. Os atentados do 11 de Setembro, em Nova York e Washington, teriam tornado mais urgente a meta dos EUA de construir um novo sistema nacional de defesa antimísseis, o que não seria permitido pelo ABM.

  • Autoria Robert Burdy (ef)
  • Link permanente http://dw.de/p/2WGw

Nenhum comentário: