quinta-feira, 17 de julho de 2014

Os portugueses mortos no Holocausto

A investigadora Esther Mucznik afirma no livro "Portugueses no Holocausto" que os judeus descendentes de portugueses se "salvaram das fogueiras da Inquisição, mas não das câmaras de gás" nazis.

Mucznik cita o caso "de um dos grandes pintores da escola holandesa", Baruch Leão Lopes de Laguna, de origem portuguesa, que morreu em 1943, no campo de concentração de Auschwitz - e "com ele desapareceram quatro mil judeus de origem portuguesa na Holanda, que acabaram nas câmaras de gás", acrescenta a investigadora.
Esther Mucznik , investigadora Fotografia © Rui Coutinho - Global Imagens
A autora de "Portugueses no Holocausto" lembra ainda que também havia luso-descendentes noutras partes da Europa, como deportados de Salónica, na Grécia, que acabaram mortos.
Concurso
A investigadora procurou o rasto de portugueses e descendentes de portugueses que morreram devido às políticas de exterminação racial da Alemanha nazi, mas também atos de salvação de vidas, como os do diplomata Aristides de Sousa Mendes, cuja "coragem e sensibilidade à dor que o rodeava foram determinantes no salvamento de milhares de pessoas".
Sousa Mendes não é o único. No Memorial dos Justos, em Jerusalém, consta também o nome de outro diplomata, Carlos Sampaio Garrido, e a investigadora cita ainda, entre outros, Alfredo Casanova, em Génova, Lencastre de Menezes, em Atenas, José Luís Archer, em Paris, Teixeira Branquinho, em Budapeste, e a infanta Maria Adelaide de Bragança que, em Viena, "não ficou indiferente ao sofrimento e não hesitou em ajudar a resistência".
Em França, o português José Brito Mendes "arrisca a sua vida, escondendo a pequena Cecile", cujos pais judeus tinham sido deportados para os campos da morte, como escreve a investigadora.

Nenhum comentário: