sexta-feira, 15 de agosto de 2014

1947 - Índia e Paquistão tornam-se oficialmente independentes

Depois de longas e dolorosas tratativas entre colonizadores britânicos e indianos, e mais ainda entre os próprios indianos, em 15 de agosto de 1947, a Índia e o Paquistão tornam-se oficialmente independentes. Grande parte dos ingleses já se mostrava resignada, desde os anos 1930, em deixar as Índias.
O Estado principal resultante do British Raj – império britânico das Índias – chama-se oficialmente União Indiana ou República da Índia. O país é hoje uma república federativa de 28 estados e 7 territórios, associada à Commonwealth, último vestígio do Império Britânico.
WikicommonsOs próprios indianos chamam prazerosamente seu país de Bharat, em referência a um rei mítico que inspirou a epopeia em versos Mahabharata. Do ponto de vista religioso, o país é também chamado de Hindustão uma vez que é o berço do hinduísmo – ‘stão’ é um sufixo de origem persa que significa país.
Já o Paquistão, é uma invenção do século 20. Seu nome, concebido por um estudante em 1933, significa o “país dos puros’ e comporta as iniciais de 3 províncias reivindicadas por seus promotores: P de Pendjab, A de Afeganistão e K de Caxemira.  O país é uma república islâmica e também permanece fiel à Commonwealth.
[Lorde Mounbatten, Nehru e a mulher do nobre inglês]
O Partido do Congresso, que agrupava as elites hindus, reclamava desde o começo do século 20 a autonomia, ou seja, a independência da Índia e a Liga Muçulmana, também desejosa de ver partir os ingleses, exigia a criação de um Estado muçulmano, o Paquistão. Seu chefe, Mohamed Ali Jinnah, recusava qualquer ideia de confederação entre esse Estado e a futura União indiana.
Ali Jinnah tentava convencer seus correligionários de que jamais poderiam viver em paz sendo minoria ante os hindus. Após a Conferência de Simla, que redundou em fracasso em 14 de julho de 1946,  ele convoca seus seguidores a uma jornada de ação direta, em 16 de agosto de 1946. Como resultado dela, milhares de pessoas são mortas apenas em Calcutá.
Os britânicos hesitam em entregar a direção do British Raj a um governo interino dirigido pelo pandit Jawaharlal Nehru, companheiro de rota de Gandhi. Então, os colonizadores convocam uma assembleia constituinte em dezembro de 1946, mas ela é boicotada pela Liga Muçulmana e confrontos sangrentos entre as duas comunidades começam a se multiplicar.
Vice-rei
Em fevereiro de 1947, Londres despacha o lorde Louis Mountbatten na qualidade de vice-rei. Mountabatten é primo da futura rainha Elizabeth II, homem notável e brilhante, que se comportou como herói na frente de batalha birmanesa ante os japoneses e devia negociar as modalidades de independência para evitar a divisão do país.
A preferência de Nehru ia em direção a um Estado centralizado a fim de prevenir a criação do Paquistão. Ele teve de enfrentar também os extremistas de seu próprio campo que exigiam a criação de um Estado puramente hindu, o Hindustão, a fim de se contrapor ao futuro Paquistão.
Lord Mountbatten cultivava excelentes relações com Nehru, entretanto Mountbatten perdia as esperanças de preservar a unidade do British Rajet, e em desespero de causa, optou por acelerar o processo de independência, sem se importar com o custo.
Finalmente, a passagem do poder entre o vice-rei e o primeiro ministro teve lugar em 15 de agosto de 1947, em Delhi, no forte Vermelho, antigo palácio dos imperadores mongóis. A cerimônia teve êxito, apesar da ausência de Gandhi, mergulhado em nova greve de fome.
Índia e Paquistão
Os soberanos dos 340 principados que compunham a Índia aceitaram quase todos a se juntar à futura União em troca de generosas compensações. A exceção mais notável foi o soberano muçulmano de Hiderabad, no coração do país, que somente em 1948, pressionado, cedeu.
Wikicommons

Lord Mountbatten recebe Nehru no Palácio do Governo
Enquanto os britânicos se retiravam com certo alívio, Ali Jinnah proclamava em Lahore a independência do Paquistão. Imediatamente, aturdida, grande parte dos hindus e dos sikhs do novo Paquistão amarra suas trouxas e se juntam à União indiana. São imitados em sentido inverso por numerosos muçulmanos indianos. De 1947 a 1950, entre 15 a 20 milhões de pessoas cruzaram as fronteiras dos dois novos Estados, provocando inúmeros incidentes mortais.
Nos vilarejos onde coabitavam as comunidades hindu, muçulmana e sikh, tiveram lugar cenas espantosas: massacres, violações, mutilações. Somente no verão de 1947, pôde-se contar entre 400 mil e 1 milhão de mortos. Uma guerra eclode no final desse ano pelo controle da Caxemira, uma província de maioria muçulmana governada por um príncipe hindu. No começo do século XXI, o problema de Caxemira ainda não esta resolvido e uma linha de cessar-fogo indopaquistanesa corta esta província outrora bela e próspera.
Morte de líderes
Em 30 de janeiro de 1948, seis meses somente após a independência, Mahatma Gandhi é assassinado por um extremista hindu. Quanto a Mohammed Jinnah, recém-empossado líder, morre em 11 de setembro de tuberculose. Lorde Mountbatten declararia mais tarde que se ele tivesse conhecimento de sua doença, possivelmente teria adiado a independência na esperança de evitar a partilha.
Apesar destes acontecimentos, a democracia Indiana iria lentamente crescer e amadurecer sob a direção de governantes notáveis como Jawaharlal Nehru e sua filha Indira Gandhi.
Menos afortunado foi o Paquistão. Estado artificial fundado sobre a identidade muçulmana, separou-se de sua parte oriental em 1971, hoje Bangladesh, e se encontra nessas primeiras décadas do século XXI confrontado com novos desafios devido ao radicalismo islâmico.
Fonte: Opera Mundi

Nenhum comentário: