sexta-feira, 8 de agosto de 2014

1974: Nixon renuncia

Há 40 anos, em 8 de agosto de 1974, Richard Nixon renunciava à presidência dos EUA. O escândalo de Watergate acabaria com a carreira política do republicano de origem modesta que conseguira chegar até a Casa Branca.
Richard Nixon
Sob ameaça de impeachment, por ter mandado espionar a sede do Partido Democrata em Washington, Richard Nixon foi o primeiro presidente norte-americano a renunciar.
"Não sou nenhum trapaceiro". Foi com essas palavras que Nixon tentou salvar a honra em 1974. Apesar de ter sido reeleito com clara vantagem de votos, o seu governo já estava por um triz na ocasião, após o escândalo de Watergate. Esta seria sua última tentativa desesperada de se defender de irrefutáveis acusações.
Tudo começou com a espionagem na sede do Partido Democrata, de oposição, situada no edifício Watergate, em Washington. Pessoas de confiança do presidente organizaram a operação – com o seu conhecimento, como se ficou sabendo depois –, a fim de obter informações sobre seus adversários políticos. O caso se transformou numa rede de mentiras e tentativas de dissimulação a serem rastreadas até o gabinete do presidente, na Casa Branca.
Renúncia pela televisão
No dia 9 de agosto de 1974, já não restava qualquer dúvida. Nixon só tinha uma chance de evitar a suspensão de sua imunidade política pelo Congresso americano, para escapar de um processo penal. Num pronunciamento transmitido pela tevê, anunciou sua renúncia na noite de 9 de agosto. O vice, Gerald Ford, assumiu a presidência. Posteriormente, ele concederia anistia a Nixon, poupando-o das consequências legais do escândalo Watergate.
Henry Kissinger, assessor presidencial para assuntos de segurança nacional e uma das pessoas mais próximas de Nixon na época, recordaria depois: "Ele cometeu muitos erros e fez muita bobagem, enfim, tudo o que ficou conhecido como Watergate. Na verdade, Watergate não passou de uma série de besteiras que depõem contra Nixon. É evidente que ele merecia ser punido, mas – na minha opinião – a punição foi severa demais. Aquela lista de inimigos da Casa Branca, por exemplo: nomear o documento de Enemies List... Que burrice! A Casa Branca sempre tem uma lista de pessoas que não são convidadas para os jantares oficiais. Era uma lista dessas, com o título Enemies List. E houve coisas piores ainda."
Personalidade reservada
A renúncia de Nixon praticamente marcou o fim de uma das carreiras políticas mais controversas da história norte-americana. Richard Milhous Nixon era de origem modesta, mas acabou chegando a uma das posições mais poderosas do mundo. No entanto, nunca deixou de desconfiar do establishmentpolítico dos Estados Unidos. Era reservado, permitindo somente a proximidade de um pequeno círculo de amigos e conselheiros. Seus adversários políticos viriam a comparar esta sua desconfiança com uma mania de perseguição política.
Isso teve consequências fatais no caso de Watergate. O medo do sistema político levou Nixon a tentar escamotear seus erros da forma mais inadequada possível. Para Kissinger, "o melhor teria sido confessar tudo logo de início e chamar um advogado de renome, para eliminar de vez o problema. Ele cometeu enormes erros durante o esclarecimento do escândalo. Teria sido muito melhor ter falado o que ele sabia e ter afastado algumas pessoas."
Após a renúncia, Nixon foi excluído do establishment político dos Estados Unidos. O único presidente norte-americano a renunciar se tornou um homem solitário, do qual ninguém mais queria saber. Ele também foi o único presidente a renunciar à proteção policial. Décadas depois, quando já estava em idade avançada, alguns viriam se recordar da política externa do presidente que iniciou a aproximação com a Rússia e a China e pôs fim à Guerra do Vietnã. Na opinião de Kissinger, Nixon é o presidente americano do pós-Guerra que mais entendia de política externa.
Richard Milhous Nixon morreu em 22 abril de 1994, aos 81 anos de idade.
  • Autoria Robert Burdy (si)
  • Link permanente http://dw.de/p/3l44

Nenhum comentário: