terça-feira, 9 de dezembro de 2014

1980: John Lennon é assassinado

No dia 8 de dezembro de 1980, o músico inglês John Lennon foi alvejado a tiros diante do edifício Dakota, em Nova York. Levado às pressas para um hospital, o ex-beatle morreu ainda na ambulância.
John e Yoko
Mark David Chapman já esperava há algumas horas diante do edifício Dakota, em frente ao Central Park, em Nova York, onde John Lennon e Yoko Ono moravam. Pouco antes das 23h do dia 8 de dezembro de 1980, Lennon chegou.
O ex-beatle, então com 40 anos, desceu de sua limousine e passou ao lado de Chapman para entrar no edifício. Foi quando o jovem de óculos puxou um revólver e disparou cinco tiros na direção de Lennon. Quatro acertaram o alvo. Era o fim de um ídolo que determinara a vida e o modo de pensar e agir de toda uma geração.
A admiração em todo o mundo pelo compositor e cantor, entretanto, nunca cessou. Pelo contrário. Depois da morte, Lennon foi mitificado, diversas biografias foram escritas e cada detalhe da vida do ex-beatle foi tornada púbica.
Distanciamento do público
Estrela do rock, apóstolo da paz, cínico, paranóico, drogado, multimilionário: Lennon provocou e viveu com intensidade os seus 40 anos.
O primeiro compacto dos Beatles, Love me do, foi lançado em 1962. Três anos depois, o fab four já era o até então maior fenômeno do universo pop no século 20. Eles venderam – e vendem até hoje – milhões de discos e se apresentaram diante de milhares de fãs em histeria coletiva. Isso na Europa, nos Estados Unidos, no Japão ou na Austrália.
Lennon era, ao lado de Paul McCartney, o autor das principais músicas dos Beatles, canções que sintetizaram o espírito dos anos 1960. Eles formaram uma das mais bem-sucedidas duplas de compositores da história da música.
A histeria em massa sem precedentes causada pelos Beatles incomodava Lennon, e ele começou a se isolar cada vez mais. O ex-estudante de Artes em Liverpool sonhava com os primeiros anos do grupo, com as primeiras apresentações em Hamburgo, com os primórdios do rock'n' roll.
Em 1970, o conjunto se dissolveu num clima não muito amigável. Lennon estava casado pela segunda vez, com a artista japonesa de vanguarda Yoko Ono. Ambos se engajavam politicamente. O compositor começou a enfocar a paz e a tematizar sua infância triste, a morte prematura da mãe e a ausência do pai.
Em 1975, nasceu o filho Sean, e Lennon, já em Nova York, afastou-se do show business. Ele passou a ser visto empurrando um carrinho de bebê no Central Park, enquanto a esposa administrava a fortuna de 500 milhões de dólares.
Então, no final de 1980, Lennon voltou à cena musical, com o lançamento do disco Double Fantasy,gravado com Yoko. Para 1981, estava marcada uma turnê mundial. O que seria um recomeço foi tragicamente interrompido pelos tiros diante do edifício Dakota.
Autor: Jens Thurau (rw)
Revisão: Alexandre Schossler

Nenhum comentário: