domingo, 15 de fevereiro de 2015

1989 - Tropas soviéticas abandonam oficialmente Afeganistão


Tudo começou em 24 de dezembro de 1979, quando blindados do exército da União Soviética invadiram o país
Iniciada em 15 de maio de 1988, a retirada oficial das tropas da União Soviética do Afeganistão é concluída em 15 de fevereiro de 1989, sob a liderança do Coronel-general Boris Gromov, último oficial soviético a se retirar, e em conformidade com os termos dos Acordos de Genebra, assinados 10 meses antes.
Wikicommons

Retirada de tropas soviéticas do Afeganistão, em fotografia de 1988. Ao todo, 15 mil soldados foram mortos na guerra

Nos acordos, Afeganistão e Paquistão assinaram três instrumentos, em particular sobre não-intervenção e não-interferência, no retorno voluntário de refugiados afegãos e na retirada gradual de tropas estrangeiras. Nos primeiros três meses, 50.183 tropas estrangeiras se retiraram. Outras 50.100 saíram entre 15 de agosto de 1988 e 15 de fevereiro de 1989.

Tudo começou em 24 de dezembro de 1979, quando blindados do exército da União Soviética invadiram o Afeganistão sob o pretexto de garantir o cumprimento do Tratado de Amizade e Cooperação, assinado em 1978.

Os soviéticos invadiram o Afeganistão para derrocar o presidente Hafizullah Amin, que não tinha conseguido enfrentar os mujahedin, inimigos da União Soviética ateia. Amin foi substituído por Babrak Karmal. A URSS justificou a invasão com a necessidade de preservar o regime esquerdista afegão de seus inimigos internos e externos e manter a paz na Ásia Central.
Os soviéticos, entretanto, viram-se diante de uma forte resistência quando avançaram para o interior. Os mujahedin empregavam táticas de guerrilha, causando grande destruição, baixas e uma pressão psicológica elevada, sem que os guerrilheiros sofressem perdas ao evitar as batalhas campais. Os combatentes afegãos também tinham armamento capturado dos soviéticos e, principalmente, apoio dos EUA.

O curso da guerra mudou definitivamente quando Washington passou a abastecer os mujahedin, a partir de 1987, com mísseis antiaéreos Stingers, facilmente transportados e disparados dos ombros dos combatentes. Esse armamento permitiu-lhes abater regularmente helicópteros e aviões que voavam a baixa altitude.

O novo líder soviético, Mikhail Gorbachev, decidiu então que era hora de se retirar. Desmoralizadas, as forças soviéticas começaram deixar o campo de batalha. Ao todo, 15 mil soldados foram mortos na guerra, sem contar os milhares de feridos.

O impacto em longo prazo foi profundo. Primeiro, os soviéticos jamais se recuperaram das perdas em termos de imagem pública internacional e dos dispêndios financeiros, fatores que contribuíram significativamente para o fim da URSS em 1991. Por outro lado, criou um fértil terreno para a ascensão de Osama Bin Laden, que posteriormente encabeçaria os ataques de 11 de Setembro de 2001.

* Com apuração de Max Altman

Nenhum comentário: