segunda-feira, 20 de abril de 2015

1920: Dadaísmo causa escândalo em Colônia

No dia 20 de abril de 1920, a polícia da cidade de Colônia, no noroeste da Alemanha, fechou a primeira exposição dadaísta, por considerá-la um atentado aos bons costumes.
Max Ernst em foto de 1961
O Dadaísmo havia começado em fevereiro de 1916, em Zurique, com a inauguração do ponto de encontro para artistas Cabaret Voltaire. Era uma tendência artística antiburguesa, baseada no irracional, e que trabalhou muito com colagens de imagens, sons e textos.
Humor e nonsense tinham um pano de fundo sério. A Primeira Guerra Mundial grassava. Pintores, poetas, pacifistas, filósofos e músicos de todas as nacionalidades se reuniam no Cabaret Voltaire, no solo neutro da Suíça.
"Eles eram contra a sociedade pequeno-burguesa decadente, contra autoridades na política e na Igreja e, de maneira não pouco significativa, contra o aparato da arte estabelecida", como explica Raimund Meyer, responsável pela exposição Dada Global, de 1994, em Zurique:
"Dada é espatifar aquilo que até então era válido, quer dizer, não mais utilizar a tinta a óleo para pintar, nem empregar a língua do modo como era usada na literatura. A arte deveria ficar ao acaso da natureza. Como por acidente, combinavam-se palavras achadas, letras, sílabas, produziam-se colagens de cores, materiais, palavras, movimentos e sons. Como que acidentalmente, nasceu o nome Dada, ao folhear um dicionário."
Tendência sem escola definida
Não havia uma orientação estilística determinada, nem uma escola definida, pois justamente isso levou à briga com os surrealistas, que podiam até flertar com os dadaístas, mas exigiam diretrizes claras. Em 9 de abril de 1919, o movimento encontrou seu apogeu e declínio numa gigantesca exposição de arte total, com poemas simultâneos e danças de máscaras ao som de música atonal.
Enquanto os dadaístas de Zurique preferiram ficar entre si, os de Colônia, liderados pelo artista plástico alemão Max Ernst, resolveram divulgar seu movimento ao público. Como não conseguissem os salões de um museu famoso para sua exposição, alugaram uma sala de cervejaria, cujo acesso era pelo banheiro masculino. O destaque da mostra foi Ernst, com 21 obras.
O jornal da cidade reportou a visita da seguinte maneira: "No começo, a falta de luz exige muito esforço para decifrar o catálogo, de letras pretas em fundo vermelho. Onde começa a ficar mais claro, o problema são as goteiras, de modo que exige certo heroísmo ver toda a exposição!"
Alegando pornografia e atentado à moral, entre outras coisas, a polícia fechou a exposição no dia 20 de abril de 1920, mas permitiu sua reabertura pouco tempo depois.

Nenhum comentário: