domingo, 30 de agosto de 2015

1842 – Tratado de Nanquim encerra Guerra do Ópio entre chineses e britânicos

Desfecho do conflito foi considerado humilhação para o imperador chinês, cuja dinastia começou a sofrer pressão dos levantes populares 

Em 29 de agosto de 1842, o Tratado de Nanquim pôs fim à Guerra do Ópio entre a China e a Grã Bretanha.

Algumas décadas antes, em 1793, o grande imperador Qianlong havia zombado dos britânicos, rejeitando suas tentativas de aumentar o comércio com o Império do Meio.
WikiCommons

Pintura de John Platt e John Burnet, de 1846, encena a assinatura do Tratado de Nanquim
Os mercadores da Companhia Inglesa das Índias Orientais e o governo de Londres receberam muito mal a indisposição do imperador em encontrá-los. Não deixaram de difundir fortemente em toda a Europa o desprezo que lhes inspirava essa China, outrora tão elogiada, hoje arcaica, imóvel, voltada para si mesma.
Seu despeito era ainda maior visto que continuavam comprando da China o chá que os britânicos consumiam bastante, bem como muitos outros produtos de luxo – porcelanas, pedrarias e sedas.
Para tentar equilibrar uma balança comercial pesadamente deficitária, a Companhia das Índias pôs em ação um “comércio triangular” tão pouco recomendável quanto era o tráfico de escravos. A companhia desenvolveu nas Índias a cultura do pavot – toda planta papaverácea do gênero Papaver, agrupando diversas espécies que produzem flores indo da papoula (Papaver rhoeas) ao pavot a ópio (Papaver somniferum) — e de modo totalmente ilegal, inicia os chineses no consumo do ópio.
As vendas ilegais de ópio na China passaram de 100 toneladas para 2.000 toneladas em 1838.
Em 1839, o novo governador de Cantão, exasperado, manda apreender e queimar 20 mil caixas da droga. Em resposta, os ingleses bombardeiam Cantão enquanto uma esquadra sobe o rio Yangzi Jiang Nanquim, obrigando o imperador Daoguang a capitular.
Esta “diplomacia de canhoneira” desembocou no Tratado de Nanquim pelo qual os vencedores ganharam o direito de comercializar livremente em cinco portos chineses. Obtém, antes de mais nada, a cessão da ilha de Hong Kong na foz do rio das Pérolas e da riquíssima região de Cantão.
Cúmulo da humilhação, o imperador teve de conceder um privilégio de extra-territorialidade aos britânicos e lhes pagar 21 milhões de libras esterlinas. Os franceses e norte-americanos se apressaram em exigir vantagens equivalentes.
A humilhação sofrida pelos chineses em seguida ao Tratado de Nanquim está na origem dos levantes populares contra a dinastia manchu dos Qing, o mais notável deles a insurreição de Taiping.
Fonte: Opera Mundi

Nenhum comentário: