sexta-feira, 4 de setembro de 2015

As memórias oral, visual, audiovisual e escrita preservadas por meio da pesquisa

Projeto de pesquisa da UPF, o Laboratório de Memória Oral e Imagem atua para preservar a história e propor metodologias que auxiliem no processo de manutenção da memória

Foto: Gelsoli Casagrande
Obra reúne artigos e será lançada em outubro
Fruto da experiência de pesquisas desenvolvidas, em âmbito local e regional, por professores do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo (PPGH/UPF), o Laboratório de Memória Oral e Imagem (Lamoi) tem como finalidade o desenvolvimento de pesquisas a partir da memória oral, visual, audiovisual e escrita da região Norte do Rio Grande do Sul. O primeiro produto do Laboratório é o livro “História, imagem e representação: possibilidades de leitura”, que será lançado em outubro, durante a programação do III Congresso Internacional de História Regional.

De acordo com a coordenadora do projeto, professora Dra. Marlise Regina Meyrer, o Lamoi, em atividade há pouco mais de um ano, surgiu de uma demanda de trabalhos realizados a partir de imagens e história oral nas pesquisas desenvolvidas pelos alunos do Programa de Pós-Graduação. “Não tínhamos uma linha que envolvesse esses trabalhos, então, construímos o projeto, que abarca essa área de pesquisa. De início ele pretende agregar pesquisas que abordam essa temática e, além disso, desenvolver metodologias para trabalhar com esses materiais”, frisa, ressaltando que o projeto foi contemplado em um Edital da Fapergs.

Para a realização dos trabalhos, a professora conta com o apoio de alunos bolsistas e voluntários, além do professor Dr. João Carlos Tedesco, que também integra o corpo docente do PPGH. 

Ações e objetivo
Segundo Marlise, a riqueza da diversidade cultural das diferentes comunidades da região revelou a necessidade de um levantamento histórico mais amplo, especialmente a partir das histórias de vida de seus autores. Ao mesmo tempo, pontua a professora, foi identificada a existência fragmentada de registros escritos, orais e imagéticos dessas memórias, o que motivou a criação do Laboratório.


Além do primeiro livro, um grupo de pesquisa já está desenvolvendo um trabalho sobre a Rua 15 de Novembro, abordando o submundo de Passo Fundo na década de 1950. A ideia é realizar trabalhos audiovisuais, com a realização de um documentário. A equipe também já está trabalhando na produção da coleção de livros Cadernos do Lamoi. “Serão livros pequenos e temáticos. Queremos que eles circulem pelas escolas e pela comunidade. O primeiro volume deve sair ainda no segundo semestre e está sendo organizado pelo professor Tedesco”, ressalta.

Para a coordenadora, o objetivo do Lamoi é desenvolver metodologias de pesquisa, promovendo conjuntamente o registro, a organização e a valorização da memória social, num processo de diálogo e interação com diferentes grupos. “Embora já se venha utilizando muito a imagem na historiografia, a metodologia em relação ao uso dessas fontes ainda então em processo de desenvolvimento, ainda em exploração. Aqui teremos espaço para desenvolver essas metodologias e promover a qualidade da pesquisa e da conservação da história”, destaca.
 

Nenhum comentário: