quarta-feira, 6 de julho de 2016

Professores da UPF participam de debate sobre o livro Diário de Anne Frank

Foto: Natália Fávero

Participaram do debate os professores da UPF, Drª Ivânia Campigotto Aquino e Dr. Adelar Heinsfeld, e o líder da comunidade judaica de Passo Fundo, Berel Nathan Engelman
A obra “O Diário de Anne Frank”, clássico da literatura mundial, foi tema de discussão durante um encontro promovido pelo Projeto Literatura em Diálogo, vinculado ao Núcleo do Livro, Leitura e Literatura da Prefeitura de Passo Fundo, que conta com a parceria da UPF, por meio do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL). O evento foi realizado na tarde de quarta-feira (06/07), no Teatro Municipal Múcio de Castro. Os convidados para debater o livro foram os professores da Universidade de Passo Fundo (UPF), Dr. Adelar Heinsfeld (curso de História) e Dra. Ivânia Campigotto Aquino (curso de Letras), além do líder da comunidade judaica de Passo Fundo, Berel Nathan Engelman.

O livro “O Diário de Anne Frank” abrange relatos, feitos por uma adolescente, dos momentos de sofrimento e tensão sofridos durante a Segunda Guerra Mundial. Durante o encontro nesta quarta-feira, o público, composto pelos alunos dos nonos anos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Padre José de Anchieta e dos segundos anos do ensino médio da Escola Estadual Nicolau de Araújo Vergueiro (EENAV), interagiram com os convidados por meio de perguntas e reflexões sobre o livro e o nazismo.

O professor do curso de História da UPF falou sobre alguns aspectos históricos do nazismo e salientou a necessidade das pessoas refletirem sobre esse tema. Heinsfeld comentou que o auge do nazismo foi entre os anos de 1935 e 1945, período em que a adolescente Anne Frank escreveu seu diário. “O nazismo surgiu em 1918, quando a Alemanha estava sendo derrotada na Primeira Guerra Mundial. Uma série de ideias que já existia na Europa foi agrupada e um partido político, no caso o nazismo, assumiu essas ideias. Nazismo é algo para pensar e refletir, não só pelo o que aconteceu, mas pelo o que acontece hoje, por meio dos movimentos neonazistas. A humanidade parece que não aprendeu com a história. Em inúmeros países e no Brasil existem manifestações neonazistas. Esses movimentos estão disfarçados entre nós”, observou o professor.

O Projeto Literatura em Diálogo tem como finalidade oportunizar à comunidade a discussão de clássicos da literatura brasileira e estrangeira. Antes do debate, monitores do projeto realizam um trabalho com os professores e alunos para contextualizar a obra e, posteriormente, acontece a leitura do livro, que é disponibilizado pela Biblioteca Pública. “A escolha do livro ‘O Diário de Anne Frank’ para o projeto foi baseada na indicação da Unesco, que coloca que essa obra deve ser lida por todas as nações, e também porque no ano passado completou 70 anos do fim do nazismo. A intenção deste projeto é fazer com que os alunos tenham acesso aos clássicos da literatura”, destacou a coordenadora do Núcleo do Livro, Leitura e Literatura, Suzana Einloft.
 

Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário: