segunda-feira, 6 de março de 2017

1934: Piloto Hans Stuck bate três recordes mundiais

Em carro construído por Ferdinand Porsche, piloto alemão Hans Stuck estabeleceu recordes mundiais no dia 6 de março de 1934, em Berlim. Além de mais veloz das 100 e 200 milhas, alcançou quilometragem máxima em uma hora.
Deutschland Motorsport Nürburgring Niki Lauda Unfall 1976 (picture-alliance/dpa)
Hans Stuck, piloto alemão de grande êxito nos anos 1930, foi sempre muito veloz e amava os carros de corrida. Filho de uma família de industriais da região de Baden, era respeitosamente apelidado "Rei da Montanha" pelos seus concorrentes, por ser praticamente imbatível em percursos perigosos nas montanhas. "O que me atraía era dominar o automóvel, era fazer com o veículo o que eu quisesse. Em minha vida, o esporte e o perigo sempre foram predominantes. E eu sempre busquei o perigo", revelou Stuck.
O piloto sempre ia até os limites máximos. Nenhum carro era veloz demais para ele. E as velocidades que atingiu foram suficientes para estabelecer um total de 37 recordes mundiais.
Num único dia, 6 de março de 1934, ele estabeleceu três marcas legendárias, pilotando um carro da Auto-Union construído por Ferdinand Porsche, o criador do primeiro Volkswagen. "Foi o primeiro carro de linhas aerodinâmicas. As rodas eram revestidas, o capô era fechado, de forma que se podia correr com muito vento, sem turbulências. Era uma sensação extremamente agradável correr nesse carro apertado."
No circuito de Avus, em Berlim, Stuck correu as 100 milhas em 44m31s, um recorde mundial na época. Cumpriu também as 200 milhas como piloto mais veloz do mundo até então. E, por fim, estabeleceu um novo recorde mundial de velocidade média em uma hora: 217 km/h.
Stuck sempre tentava quebrar recordes, era fascinado pela sensação da velocidade. "Nunca esqueci o teste inicial com o carro. As equipes de cinema ficaram postadas em diversos palanques no circuito. Quando passei com uma velocidade de 550 ou 600 quilômetros, todos os que estavam nos palanques caíram. Foram simplesmente arrastados pela sucção do vento."
Mais de 500 vitórias
Com mais de 500 vitórias, Stuck é tido como um dos maiores pilotos de todos os tempos. O ponto culminante da sua carreira foi a vitória no Grande Prêmio da Alemanha de 1934, no circuito de Nürburgring. Mas ele também pagou alto preço pela sua paixão automobilística: "Tive duas fraturas do crânio, quebrei as duas coxas e as duas pernas. Tive a implantação de uma junta artificial no cotovelo, pois quando o carro tombou, certa vez, pensei que podia sustentá-lo com o braço. É claro que arrebentei a articulação".
Stuck não era duro apenas consigo próprio. Também os espectadores precisavam tomar cuidado. "Um fotógrafo estava à beira da pista, com um pé no asfalto e outro na grama, querendo avançar ainda mais. Não pude desviar e arranquei a perna dele. Vi a perna voando pelo ar, mas não reagi, e fui o vencedor da corrida. Depois, cuidei que o seguro pagasse tudo, mas a culpa foi dele mesmo."
Hans Stuck certamente nunca foi melindroso nem temeroso. Somente uma vez, no dia 28 de janeiro de 1938, é que uma tentativa de recorde mundial lhe pareceu demasiadamente arriscada. Assim, o carro foi pilotado por um outro legendário automobilista alemão, Bernd Rosemeyer.
"Fiquei chocado com o caso do Rosemeyer, que sofreu acidente fatal na autoestrada perto de Darmstadt. Eu deveria tentar estabelecer ali um novo recorde mundial. Caracciola tinha corrido antes, com uma Mercedes Benz, e me advertiu: 'Não corra agora, há muito vento; não se pode controlar o carro sobre a pista'. O diretor da prova perguntou ao Rosemeyer se ele queria correr, pois 'o Stuck está com medo'. E, então, o Rosemeyer correu. Eu tive medo, por isto ainda estou vivo."
Guerra impediu novo recorde mundial
A morte do companheiro não impediu que Stuck planejasse outros recordes. "Eu queria quebrar o recorde mundial absoluto em terra e água, ambos mantidos pelo major Campbell, da Inglaterra. Isto não seria possível com um carro de apenas 700 HP, como o Auto-Union da época. Seria necessária uma potência bem maior."
"Os planos foram iniciados pelo professor Porsche: o carro seria construído pela Daimler-Benz. As provas iam se realizar no final de 1939, mas infelizmente estourou a guerra e tudo foi por água abaixo. Foi também o fim das corridas em busca de recordes na minha vida", recordaria o piloto.
Hans Stuck ainda participou de muitas provas automobilísticas. Aos 60 anos de idade, ele se sagrou Campeão Alemão das Montanhas pela última vez em Wallberg, na região do Lago de Tegern. O "Rei da Montanha" morreu em fevereiro de 1978, com 77 anos. A essa altura, também seu filho Hans-Joachim se tornara um conhecido e bem-sucedido piloto de Fórmula 1 e outras categorias do automobilismo.
Arnulf Boettcher (am)

Nenhum comentário: