quinta-feira, 23 de março de 2017

Há 75 anos, EUA criavam campos de concentração para japoneses

Logo após bombardeio a Pearl Harbor, uma base naval no Havaí, o presidente norte-americano Franklin Roosevelt assinou um decreto autorizando a delimitação de zonas militares de exclusão. O documento serviu de base para realocação e confinamento de mais de 110 mil americanos de ascendência japonesa, com cidadania ou não.

O ataque japonês a Pearl Harbor em dezembro de 1941 levou os Estados Unidos a entrar definitivamente na II Guerra Mundial e a mudar radicalmente a vida de 120 mil homens, mulheres e crianças de ascendência japonesa que viviam nos Estados Unidos.

O ataque, além de intensificar o preconceito racial contra os nikkeis, descendentes japoneses nascidos fora do Japão, espalhou o temor de possível sabotagem e espionagem dentro do governo, do exército e da mídia.

Sem o devido processo legal, o governo concedeu poucos dias para que os ascendentes japoneses, que viviam na costa Oeste do país, se desfizessem de seus bens. Muitas famílias venderam a preços irrisórios tudo que possuíram ao longo da vida.

Outras conseguiram alugar abaixo do preço suas propriedades aos vizinhos. Os cidadãos japoneses residentes nos Estados Unidos não sabiam para onde iam e por quanto tempo. As famílias receberam número de identificação e levaram o que coube nos carros, ônibus, caminhões e trens.

Foram transportadas sob escolta militar para 17 centros temporários montados em hipódromos, parque de diversões, e outras instalações similares em três estados. Depois essas pessoas foram levadas para um dos 10 acampamentos de realocação construídos às pressas, muitas outras repatriadas para o Japão.

Em janeiro de 1944, a Suprema Corte mandou suspender o decreto e esses cidadãos deixaram os campos de concentração tentando reconstruir suas vidas. O último foi fechado em 1946. No fim do século 20, o governo americano foi obrigado a pagar R$ 1,6 bilhão pelos danos causados àquelas pessoas que ficaram detidas e seus descendentes.

História Hoje: Programete sobre fatos históricos relacionados às datas do calendário. É publicado de segunda a sexta-feira. Acesse aqui as edições anteriores.

Edição: Patrícia Leite
Sonoplastia: Messias Melo

Fonte: EBC

Nenhum comentário: